Autoconhecimento

< Voltar

O PODER DA PALAVRA

Por Felippe Nuncio

Geralmente não temos idéia do poder e do efeito que as palavras têm em nossa mente e no corpo físico. Desconhecemos o que acontece aos outros quando as pronunciamos. Quando uma pessoa diz a outra: você é formidável, inteligente, forte, etc., a receptora sente alegria e até uma certa exaltação.

Sabemos que quando sorrimos e estamos em estado de alegria e felicidade ou quando estamos bem interiormente, produzimos o hormônio da Endorfina. Produzido pela glândula hipófise, a Endorfina tem uma potente ação analgésica e ao ser liberada estimula a sensação de bem-estar e conforto. Acredita-se que as Endorfinas controlam a reação do corpo à tensão, regulando as algumas funções do sistema nervoso autônomo como as contrações da parede intestinal.

Mas, se ao contrário, esta mesma pessoa faz uma crítica ou uma observação desagradável a outra pessoa. Provavelmente seu interlocutor ficará desconfortável ou até mesmo irado. A liberação do hormônio da adrenalina, a princípio, será inevitável e a os efeitos deste no organismo provocarão estresse e até doenças se houver bloqueio desta energia. Portanto, alegria e cólera podem ser provocadas apenas pelas palavras. É um sinal inequívoco de seu poder.


Nossas palavras atuam também em nós mesmos da mesma maneira. A maioria das escolas esotéricas, religiosas ou de ocultismo enfatizam a importância das frases positivas quando você referir-se a você mesmo. O efeito é o mesmo. Sabemos que as atitudes metais e ações positivas no cotidiano proporcionam saúde tanto física quanto mental. Porém, até que ponto somos livres à influência das palavras e até que ponto temos consciência delas e seus efeitos em nossa vida.

Um provérbio tibetano diz que as palavras não tem nem pontas, nem corte, mas podem ferir o coração de um homem. Precisamos nos conscientizar que as palavras têm poder criador e devem ser utilizadas sabiamente.

Por meio das palavras que escrevemos ou pronunciamos, estamos estabelecendo continuamente um padrão vibratório. Em virtude destas forças vibratórias e da lei da sincronicidade, quando uma pessoa escreve ou fala alguma coisa, começa a atrair a situação similar para ele. Cada palavra que pronunciamos estamos exercendo uma ação na nossa vida pessoal, que agirá a nosso favor ou contra nós.

Com efeito, cada palavra que emitimos é uma expressão, a qual produz uma tendência particular em determinada parte de nosso ser. Essa tendência pode manifestar-se em nossa mente, em nosso campo emocional, em nosso corpo energético ou em nosso corpo físico, através da química deste último. As palavras proferidas por nós ou por outrem podem até mesmo manifestar tendências em nossos desejos e ações construindo os caminhos para nosso destino.

Se soubéssemos o poder que tem nossas palavras, teríamos muito cuidado em nossas conversas. Um bom exercício é observarmos a reação das pessoas à elas. Geralmente damos pouco valor ao efeito das palavras que são pronunciadas aos outros ou a nós mesmos. Experimente observar a fisionomia de alguém ao ser elogiado. Não será nunca uma fisionomia de descontentamento.

Para a terapeuta holística e enfermeira Andréia Moreira: "a palavra unida à música possui um poder de transformação muito grande sobre nós e nossos estados de espírito. A entonação pode transformar um estado depressivo em um estado equilibrado, como observamos em casos de depressão, câncer e dor. Tiramos as nuvens do céu da tela mental de nossos pacientes e trazemos a luz do sol radiante. O som faz vibrar o mais íntimo em nós, trazendo-nos a estados mais harmoniosos e o retorno do entusiasmo, o que auxilia o processo de cura e alívio, sejam de males físicos ou psicológicos. Isto é possível através das afirmações positivas, dz palavra certa e com afeto, dos Mantras, ou das orações".

Uma palavra de estimulo funciona como uma alavanca impelindo o individuo a procurar dar sempre o melhor de si. As palavras positivas são um grande investimento que podemos oferecer a nós mesmos e aos que nos rodeiam. Observe o efeito em você, de uma palavra negativa de seu chefe no trabalho ou de uma outra pessoa que te fez calar. Todos nos nós sentimos machucados ao ouvir palavras asperamente ditas. Uma mesma frase pode ser dita de varias maneiras com diferentes tipos de entonação de voz e com diversos tipos de expressão facial.

Dentro de nossa família, que grande bem pode ser feito a uma criança ao elogiá-la cada vez que ela faz um trabalho bem feito. Mesmo que seja um elogio sobre a forma que ela soube amarrar o seu par de tênis pela primeira vez. Uma palavra negativa, principalmente por parte dos pais ou de um professor, pode causar um sentimento de inadequação para o resto da vida de um individuo que esta em processo de formação de sua personalidade.

A Palavra na Medicina
Na medicina, encontramos o conceito dos princípios da Bioética que procura facilitar a comunicação entre o médico e o paciente. A comunicação entre os dois pode provocar efeitos negativos no paciente ou ao contrário, ser uma maneira de o médico proporcionar ao paciente um estimulo para que este retorne ao estado natural de saúde.

A Bioética promove a confiança, estimulando apresentação de objetivos claros, disposição para escutar, respeito a outras opiniões e tomada de decisões assumindo a responsabilidade. A não maleficência na comunicação médico-paciente é a ponte entre os procedimentos e as explicações evitando acrescentar ainda mais danos ao bem-estar físico, psíquico ou social do paciente.

O Poder das Palavras nos Livros Sagrados
No livro da Gênese, na Bíblia, a criação é realizada através do poder da palavra de Deus. Na medida em que Deus falava, sua criação surgia. O poder de Deus fluiu através da sua palavra. Encontramos referência ao poder da palavra em outros livros da Bíblia: "Nossas palavras também podem criar ou destruir", "Abençoai e não amaldiçoeis", "o Espírito Santo opera através da Palavra de Deus" ou o clássica " No princípio era o Verbo, e o Verbo estava com Deus, e o Verbo era Deus" de João Evangelista.


Referências à palavra também são encontradas no livro dos Vedas, considerados os mais antigo documento da literatura indiana datado em milhares de anos. O termo Veda significa conhecimento. Eles foram compilados por Vyasadeva e formam uma coleção de 1.028 hinos considerados sagrados e dirigidos a divindades diversas. Originalmente o conhecimento era transmitido por via oral, o que estimulava o poder concentração, inteligência, memória, e posteriormente foi codificado na forma escrita. É composto em forma de poesia e cantada com ritmo. Formam as sementes da melodia da música da índia. A Música Indiana inicialmente é presenciada nos Vedas.

Os Mantras
A palavra Mantra deriva da raiz "man", que pode significar mente. A ela se junta o sufixo tra, que quer dizer liberar. Assim, Mantra pode ser definido como instrumento para a liberação da mente. A consciência deixa de se alocar em patamares da mente racionalista e lógica para adentrar em níveis mais profundos, sutis e elevados e o Mantra produz energia para esta elevação. De outra maneira pode ser dito que eles protegem nossas mentes de maus pensamentos .

O Mantra é também utilizado para promover a cura, solucionar problemas, conseguir proteção e direção espiritual e manifestar desejos. As repetições rítmicas e contínuas produzem vibrações que despertam energias específicas. É utilizado também para desintegrar os condicionamentos. Eles Proporcionam estabilidade do pensamento e a expansão da consciência.

Há diversos tipos de Mantras. O Kirtan é o Mantra cantado, melódico. O japa é o Mantra repetido em tom de murmúrio. Para a prática do Japa, Os yoguins utilizam o mala, que é um cordão de contas - também chamado de cordão de energia. Ele contém 108 contas. Orar repetidamente, tem a finalidade de magnetizar as energias ou atributos de uma determinada divindade ou arquétipo. Existe também o Mantra chamado Bija, que é o Mantra semente. Cada Chakra tem o seu Bija Mantra e pode ser estimulado pelo som deste Mantra.

A idealização que acompanha a pronúncia do Mantra - ou a idéia que ele representa -, é incorporada à mente do adepto. A cada estado de realização corresponde um som determinado, que é a sua semente. Por exemplo, o Mantra Om induz à identificação com o Alma Universal. O Mantra Om namah Shivaya, à aproximação com o arquétipo de Shiva. Dessa forma, através das diversas vibrações sonoras do universo, assimilam-se diretamente conhecimentos e experiências essenciais para atingir os estados supraconscientes. Os mantras são representações sonoras das Divindades, assim como as imagens são suas representações formais.

Segundo vários textos clássicos o universo é formado por 50 vibrações-mães. Essas vibrações formam o caminho dos sons cósmicos. Cada um dos Mantras atua no universo interno ou externo.O Mantra Om é o mais importante de todos os Mantras, pois ele é considerado a síntese de todos os sons que derivam dele.

Anatomia sutil
Os textos sagrados da índia ensinam que o corpo do ser humano é inervado por uma rede de 72 mil nadis -canais sutis em sânscrito. É uma espécie de sistema circulatório energético e encontram-se no campo etérico do homem. As extremidades destes canais possuem a formas de letras e o Prana (alento) que circula nos canais é influenciados por essas formas. O som também faz vibrar cada um destes canais.

Os Mantras intraduzíveis
A língua sânscrita é uma das línguas clássicas e das mais antigas da humanidade. Seus fonemas são sons guturais e cada sílaba é relacionada a uma naddi. Como o som desempenha um papel muito importante no uso dos Mantras , os tibetanos nunca os traduziram para sua língua, procurando preservar o poder espiritual inerente à sonoridade sânscrita e à enunciação original do Mantra. Como as Ragas, os Mantras são formados pelas 50 letras do alfabeto sânscrito e se traduzidos perdem sua força.

Alguns Mantras e sua finalidade: Om Adishaya Namah - para alegria e felicidade, Om Sri Durgaia Namah - para proteção, Om Sri Lakshimyai - para medo, insegurança. Om Namah Shivaya - para força/poder interior. Om Mani Padme Hum - tem o poder de eliminar as seis emoções conflituosas de base: desejo-apego, raiva-aversão, cegueira, possessividade, ciúme e orgulho, Om Sri Govindaya Namah - para felicidade e riqueza, Om Sanat Kumara Ah Hum - para força e coragem, Om Sri Ganeshaya Namah - para proteção, Om Hrim Brahhmaya namah - para elevar e estado de ânimo, Om Bhur Bhuwah Tat Savitur Varenyam Bhargo Devasya Dhimahi Dhiyo Yo Nah Prachodayat Aum Bring Hansah Suryaye Namah Aum ( Gayatri Mantra - utilizado para purificação, iluminação e revitalizante)

Musicoterapia
Sabemos que muitas das enfermidades são de origem psicossomáticas ou derivadas de bloqueios energéticos que fluem dentro de nosso corpo. Muitos terapeutas têm utilizado o poder do som e da música para restabelecer o equilíbrio energético. A música não só afeta aos seres vivos, mas altera o ambiente e o local. A Musicoterapia é a utilização da música e/ou seus elementos - som, ritmo, melodia e harmonia -, a fim de atender às necessidades físicas, emocionais, mentais e sociais do paciente.

Para entender a Musicoterapia, é necessário primeiro compreender a ação da música no organismo. Ao chegarem aos ouvidos, os sons são convertidos em impulsos que percorrem os nervos auditivos até o tálamo - região do cérebro que é considerada a estação central das emoções, das sensações e dos sentimentos. Os impulsos provocados pela música no cérebro repercutem em todo o corpo. O ritmo musical influencia os padrões de sono e vigília, a respiração, os batimentos cardíacos, a circulação sanguínea e também as secreções de diversas glândulas.

Ao analisar essas alterações fisiológicas, os especialistas conseguem desenvolver terapias específicas para doenças físicas e mentais e também para gerar bem-estar. Ela produz bons resultados em pessoas com problemas de comunicação - desde os autistas, que vivem isolados em um mundo próprio, até os tímidos, que têm dificuldade de expressar emoções.

As Rágas
As Rágas indianas foram desenvolvidas a milhares de anos atrás. Através da meditação e pela convivência com a natureza, percebeu-se que certo conjunto de notas invocadas a certas horas e em certas estações do ano, produziam determinados efeitos nas pessoas. Foi percebida a sincronização entre as melodias e os ciclos da natureza.

As vibrações de certas notas ou conjunto de notas e melodias afetam diretamente os chacras estimulando ou diminuindo suas funções. Estas mudanças psicofísicas e energéticas alteram o estado de consciência do músico e do ouvinte.Cada um dos sons e combinação destes tem um certo efeito sobre a psique humana. Por exemplo, para todo tipo de expansão física e material são usadas os sampoorna rága (os arranjos de 7 notas), e para todo o tipo de redução, das doenças, comportamento violento, etc., são usados os shádava rága (os arranjos de 6 notas). Para um comerciante mal sucedido, serviria um rága diferente do que para um empresário, que queira expandir seus negócios; e para restabelecer o bom funcionamento dos rins não serviria o mesmo rága indicado para um tratamento de emagrecimento.

Felippe Nuncio Junior é jornalista e Professor de Yoga
 

Compartilhe: